Retrospectiva 2012: O ano do tri de Vettel, o penta de Cacá e os títulos inéditos de Totti, Keselowski e Hunter Reay

A Retrospectiva 2012 do FC Gols começa com o resumo dos fatos que marcaram o ano. Pra começar, cheiro de gasolina no ano da velocidade. Nas pistas do Brasil e do mundo emoção foi o que não faltou, principalmente na Fórmula 1 onde o campeão foi decidido em uma corrida histórica em Interlagos, na Indy, um piloto azarado viu o título escapar de novo das mãos e na NASCAR temos um novo rei na Sprint e a afirmação de Nelsinho Piquet. No Brasil a temporada marcou mais um título para Cacá Bueno, um novo campeão na Truck e a despedida de Jacarepaguá.

Fórmula 1: Em ano de equilíbrio, Vettel é tricampeão

Sebastian Vettel não teve vida fácil em 2012, diferente do ano passado onde sobrou, o alemão da Red Bull só desencantou no final. 2012 foi a temporada mais equilibrada em todos os tempos na Fórmula 1. Oito pilotos diferentes ganharam corridas, sendo que nas sete primeiras corridas do ano, foram sete vencedores distintos, superando a marca de 1983 quando tivemos cinco pilotos vencendo as cinco primeiras corridas.

Jenson Button venceu a primeira corrida na Austrália, Fernando Alonso venceu na Malásia, na China, a Mercedes venceu sua única corrida no ano com Nico Rosberg, Vettel venceu a quarta no Bahrein. A Williams voltou a vencer depois de sete anos com o venezuelano Pastor Maldonado que foi o vencedor na Espanha, em Mônaco deu Mark Webber e no Canadá, o vencedor foi Lewis Hamilton. A partir do GP da Europa, Alonso assumiu a liderança vencendo as corridas em Valência e em Hockhenheim.

A partir da segunda metade do campeonato, o vento mudou a favor de Vettel e o alemão virou o jogo vencendo quatro corridas seguidas, já Alonso teve maus resultados, entre eles dois abandonos, ambos provocados por toques dos rivais: na Bélgica, Alonso foi vítima de um strike causado pelo francês Romain Grosjean e no Japão, um pneu furado no toque com Kimi Raikkonen minou as chances de título. Vettel provou porque é mesmo um piloto de sorte. Em Abu Dhabi saiu de último e chegou em terceiro, na corrida inaugural da pista de Austin, Vettel chegou em segundo e veio para o Brasil com uma grande vantagem.

A CORRIDA DO TÍTULO: GP BRASIL






Interlagos foi o palco da decisão mais tensa e emocionante dos últimos anos. A chuva intensa foi um fator determinante para o resultado final. Vettel saiu em quarto, caiu na largada e acabou sendo tocado por Bruno Senna. Caiu pra último, fez uma sensacional corrida de recuperação e com a instabilidade do tempo, chegou em sexto lugar, resultado mais que o suficiente pra conquistar o tricampeonato. Fernando Alonso acabou chegando em segundo pois não conseguiu vencer a corrida que foi ganha por Jenson Button. O alemão fez festa em Interlagos.

Schumacher diz adeus de vez



Michael Schumacher pendura definitivamente o capacete depois da sua frustrante volta

Diferente da primeira despedida em 2006, a segunda despedida de Michael Schumacher não teve a mesma emoção de seis anos atrás. Nessa volta às pistas, Schumacher acabou não tendo bons resultados com o carro da Mercedes e no dia 4 de outubro anunciou sua aposentadoria definitiva das pistas. Lewis Hamilton assumirá o lugar de Schummy na Mercedes.



Para os brasileiros, 2012 não deixará saudades. Felipe Massa e Bruno Senna começaram mal o ano, inclusive se tocando na prova de abertura. Para o piloto da Ferrari, a primeira metade do ano foi um inferno, ameaçado de demissão por conta dos maus resultados e forte pressão, a segunda metade marcou a reação do brasileiro que passou a andar na frente de Alonso em algumas corridas subindo ao pódio no Japão com o segundo lugar e no Brasil um terceiro lugar com direito a choro e desabafo no pódio. O brasileiro garantiu a renovação de contrato para 2013 com a Ferrari, já Bruno Senna foi dispensado da Williams e será substituído por Valtieri Bottas. O baiano Luiz Razia, vice campeão da GP2 busca uma equipe para correr no próximo ano, mas as vagas disponíveis estão na Caterham, pois a HRT fechou as portas.

Indy: Hunter Reay é o campeão em mais um ano azarado de Power






Com novo carro, o DW 12 e motores turbo, a Fórmula Indy teve uma temporada cheia de surpresas, mas o personagem de 2012 foi o mesmo dos dois últimos anos. O australiano Will Power tinha a faca e o queijo na mão para ser campeão na última etapa, mas como em 2010 e 2011 Power sofreu com a maldição dos ovais e viu o título escorrer das mãos, só que este ano o título não foi para Dario Franchitti, mas para o americano Ryan Hunter Reay, da equipe de Michael Andretti. Hunter Reay venceu quatro corridas no ano e Power venceu três vezes, incluindo a São Paulo Indy 300, prova em que é o rei, das três edições realizadas, Power ganhou as três. Na edição 2012 das 500 milhas de Indianápolis, Dario Franchitti chegou à sua terceira vitória na corrida e se igualou a Hélio Castroneves. Helinho venceu duas corridas e poderia brigar pelo título se não fossem os problemas de acerto de seu Penske. Tony Kanaan fez o que pôde com o carro da KV e terminou a temporada em nono. Rubens Barrichello, sem equipe pra correr na Fórmula 1 acabou tendo uma temporada tímida, teve dificuldade nos ovais e seu melhor resultado no ano foi o quarto lugar em Sonoma terminando em 12º na classificação geral.

NASCAR: O ano da coroação de Brad Keselowski

Brad Keselowski Brad Keselowski, driver of the #2 Miller Lite Dodge, hoist the series trophy in Champions Victory Lane after winning the series championship and finishing in fifteenth place for the NASCAR Sprint Cup Series Ford EcoBoost 400 at Homestead-Miami Speedway on November 18, 2012 in Homestead, Florida.
Numa temporada bastante equilibrada, a NASCAR assistiu ao surgimento de um novo rei das pistas. Inteligente, cerebral e calculista, o piloto Brad Keselowski deixou de ser apontado como piloto problema e mostrou maturidade conquistando o título da Sprint Cup, a divisão principal em sua terceira temporada completa e o primeiro título para Roger Penske. Keselowski se revelou ser o rei das estratégias e na economia de combustível venceu cinco corridas, mesmo número de vitórias de Jimmie Johnson e em toda temporada mostrou consistência abandonando uma corrida e terminando 13 vezes entre os cinco primeiros . O piloto da Hendrick foi um grande rival e levou a disputa do título até a última corrida em Homestead, mas a transmissão quebrada acabou tirando JJ da briga, pois acabou o ano em terceiro, já que o vice foi de Clint Boywer da equipe de Michael Waltrip, falando em vice, a maldição do vice atacou Carl Edwards, o vice de 2011 que teve uma temporada decepcionante, assim como Jeff Gordon que mesmo vencendo duas corridas foi protagonista de uma confusão com Boywer em Phoenix, Juan Pablo Montoya que em Daytona protagonizou um acidente inusitado ao bater num carro de serviço que fazia a secagem da pista e Kyle Busch, apontado por muitos como futuro campeão, mas que em 2012 venceu apenas uma corrida. Para os fãs brasileiros, 2012 também foi decepcionante com a chegada do canal Fox Sports que no momento mais importante, as provas do Chase deixou de lado para transmitir futebol relegando as corridas para alta madrugada, numa situação que lembra o SBT com a Indy no fim dos anos 90. A temporada marcou também a despedida da Dodge que sai por cima e também aplicou punição misteriosa para A.J Allmendinger por doping não comprovado.

Nelsinho Piquet se afirma 



Demonstrando não estar arrependido de sair pela porta dos fundos na Fórmula 1, Nelsinho Piquet teve uma temporada de afirmação na Truck Series no seu segundo ano completo nas pistas americanas. Correndo pela Turner Motorsports, Nelsinho conseguiu importantes resultados numa evolução constante. O brasileiro largou quatro vezes na pole e venceu duas corridas: Michigan e Las Vegas, esta última com uma sensacional ultrapassagem na última volta. A equipe ajudou e deu total condição para que tanto Nelsinho quanto Miguel Paludo pudessem desenvolver seu talento. O piloto gaúcho fez a pole em Daytona e fechou o campeonato em 10º lugar, melhorando sua classificação. Nelsinho terminou o campeonato em sétimo. O campeão da temporada foi James Buescher, companheiro de equipe dos dois. Nelsinho também fez bonito na Nationwide ao vencer a corrida de Road America em Elkhart Lake. Na divisão de acesso, Ricky Stenhouse Jr. foi o campeão pelo segundo ano consecutivo. A perspectiva para 2013 ainda não foi definida, pois o piloto não decidiu se fica mais um ano na Truck Series ou parte pra disputa da Nationwide

Stock Car: Cacá Bueno chega ao pentacampeonato


Cacá Bueno celebra pentacampeonato da Stock Car (Duda Bairros/Vicar)

Cacá Bueno conquistou seu quinto título da Stock Car se isolando como segundo maior vencedor da categoria, atrás apenas de Ingo Hoffmann. Cacá começou o ano vencendo em Interlagos, depois venceu em  Londrina e no Velopark. A partir daí administrou a vantagem sobre os rivais. Na última corrida do ano, a Corrida do Milhão em Interlagos, Cacá Bueno vinha liderando, mas faltando 400 metros para o fim, a gasolina acabou e ele se arrastou chegando em terceiro, resultado mais que suficiente para levar o título. Apesar de perder o milhão, Cacá disse que dinheiro é papel e para ele o penta é histórico. Para 2013 a novidade anunciada pela Vicar, empresa que organiza o campeonato é a volta da Pirelli como fornecedora de pneus depois de cinco anos sendo exclusivos da Goodyear e provavelmente entre os pilotos, poderemos ter Rubens Barrichello como piloto da categoria.

Truck:  Leandro Totti domina e leva tudo

Na Fórmula Truck, 2012 assistiu a um domínio arrasador do paranaense Leandro Totti. O piloto da ABF Mercedes dominou o campeonato a partir da quarta etapa e venceu seis corridas, um recorde. Como consequência disso, ele levou os títulos brasileiro e sul americano. A corrida de Curitiba em que ele saiu dos boxes para arrancar a vitória foi a prova que deu o título brasileiro. Felipe Giaffone que conquistou o título do ano passado foi o vice campeão e Beto Monteiro que começou vencendo as duas primeiras provas da temporada foi o terceiro colocado.

O adeus de Jacarepaguá



O Rio de Janeiro se despediu do Autódromo de Jacarepaguá. Depois de brigas políticas e a consequente mutilação para obras do Pan de 2007 o autódromo carioca foi se descaracterizando e em outubro foi dada a última bandeirada. Agora começam as obras para a criação do Parque Olímpico e para a construção de prédios. Um novo autódromo começará a ser construído na região de Deodoro no começo de 2013. Fica então uma história de 35 anos onde passaram pilotos da Fórmula 1, Indy e tantas outras categorias.




Por Kléber Nunes
Texto de: FC Gols

Related Articles

0 comentários:

Postar um comentário

Regras para a comunicação:
Aqui é um ambiente para se discutir futebol com paz, por isso não utilize palavrões, xingamentos e outras atitudes baixas. Vamos manter o nível.

Agradeço pela visita, volte sempre!

About us